Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

EXPEDIÇÃO DESCOBRE ILHAS PERMANENTES DE LIXO NO PACÍFICO

Mäyjo, 20.10.15

Expedição descobre ilhas permanentes de lixo no Pacífico

Em 1997, o capitão Charles Moore tornou-se conhecido ao descobrir uma enorme ilha de lixo no Pacífico, durante uma viagem de barco entre Los Angeles e Honolulu – uma corrida e não viagem, na verdade.

Desde então, muitos têm comprovado a existência desta ilha, que se acredita ser do tamanho do estado norte-americano do Texas. Recentemente, vários investigadores voltaram com Moore ao local e descobriram que existem outras ilhas permanentes de lixo à volta deste gigantesco mar de resíduos.

O regresso de Moore a esta porção de lixo teve como objectivo avaliar o impacto deste na vida marinha. Desde que encontrou este mar de plástico, Moore criou o Algalita Marine Research Institute, uma organização sem fins lucrativos focada na redução de poluição marinha.

No entanto, Moore ficou ainda mais chocado quando percebeu que, para além de vastas quantidades de plástico que deambulam no local, existe uma ilha de lixo permanente com mais de 15 metros. A ilha é em tudo idêntica a uma ilha normal, com rochas na costa, vida marinha e biodiversidade. Mas não só é artificial como é feita de lixo.

“Encontrámos sinais de permanência. E haverá um novo mundo flutuante de plástico se não pararmos com a poluição”, explicou Moore ao Live Science.

Um dos estudos mais recentes dá conta que 35% dos peixes encontrados nesta região comeram plástico em alguma parte da sua vida. Agora, estas ilhas de plástico estão cada vez mais a integrarem-se na biodiversidade, com consequências imprevisíveis.

POPULAÇÃO DE SARDINHAS DO PACÍFICO CAI 90% EM OITO ANOS

Mäyjo, 17.04.15

sardinha_SAPO

Em 2007, os stocks de sardinhas da costa norte-americana do Oceano Pacífico representavam 1,4 milhões de toneladas métricas. A partir de 1 de Julho, esta população estará reduzida a 150.000 toneladas, de acordo com a ONG norte-americana Pew Cheritable Trusts.

As sardinhas são dos peixes mais importantes do mundo, servindo de alimento para as lulas, baleias, tubarões, salmões e aves marinhas. Os níveis baixos de stocks existentes a partir de Julho poderão levar à proibição da pesca de sardinhas na costa oeste norte-americana.

“Os gestores de pescas deverão rever os protocolos e suspender a pesca de sardinhas para a época de 2015. Ao fazê-lo, dão uma oportunidade para que a população recupere, à medida que as condições do oceano melhoram”, explicou a Pew.

A indústria da pesca da sardinha tem sido, historicamente, uma das maiores fontes de rendimento para as frotas de pesca comercial – o escritor norte-americano John Steinbeck até dedicou ao tema uma das suas obras-primas, Cannery Row, publicada em 1945.

De acordo com a Pew, porém, não são os pescadores os principais responsáveis pela queda de stocks de sardinhas. Alguns cientistas falam de um fenómeno natural denominado Oscilação Decenal do Pacífico, responsável por água mais fria e rica em nutrientes – o que é bom para as lulas, mas mau para as sardinhas.

A curto prazo, todos estes gigantes do mar poderão mudar a sua alimentação para as anchovas, que continuam abundantes. Incluindo os humanos.

Foto: Pew e TANAKA Juuyoh (田中十洋) / Creative Commons